segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Especial Halloween: Lugares assustadores de Porto Alegre

Oie, galera!

Estou há bastante tempo com essas fotos no computador, já que fiz esse passeio na véspera do dia dos pais. Era pra ter postado antes, mas me enrolei, viajei a trabalho, então achei melhor fazer essa postagem na semana do Halloween. Sejam bem vindos a essa viagem assustadora só que não, muahahahahahaha! xD


Igreja Nossa Senhora das Dores

Centenária e construída por escravos, essa igreja fica na Rua dos Andradas (Rua da Praia), pertinho da Sede do Comando Militar do Sul. O caso é que, até 1857, a praça que fica bem em frente à igreja servia de palco para nada menos que execuções públicas. O famoso Largo da Forca.

Foto atual de onde ficava o Largo da Forca.

Uma das histórias que o povo conta é que um escravo que trabalhava na construção da Igreja foi condenado à forca - injustamente, diga-se de passagem. No dia da execução, o escravo teria rogado uma praga ao seu senhor, dizendo que este jamais veria as torres construídas. A praga deu certo: a obra demorou mais de cem anos para ficar pronta, e a lenda se propagou. Também há quem diga que o local é assombrado até hoje não só pelo fantasma desse escravo, mas também pelos de todas as pessoas que morreram no Largo da Forca.

Eu tendo a ter sensações estranhas em locais de energia pesada por algum motivo, mas não senti nada de ruim na Nossa Senhora das Dores. Pelo contrário, é um lugar tranquilo. A igreja também é muito bonita por dentro, apesar de ser relativamente simples. E subir a escadaria dela é de matar, hahahaha. >.<



O Castelinho do Alto da Bronze

Segundo a história local, esse castelo foi construído em homenagem à paixão avassaladora (que eu chamo de outra coisa, mas ok...) de Carlos Eurico Gomes por sua esposa, a quem manteve presa no prédio por quatro anos, a impedindo até mesmo de ir até as janelas (!). O casamento obviamente acabou, e o castelo acabou sendo desabitado e assim permaneceu durante anos. E foi assim que surgiram as histórias: por ter ficado vazia, a construção acabou ganhando fama de assombrada, e as pessoas costumam evitar passar pelo local durante a noite.

Uma pena que não dá pra entrar nesse castelo :(. Por ser propriedade particular, ele fica trancado e não se vê movimento algum, e apesar de o meu amigo Rennan, que me acompanhou, ter dito que o pai dele certa vez conseguiu invadir o local durante á noite, eu não sou #VidaLoka a ponto de tentar fazer isso :V. De fora ele é muito bonito e também não senti nada de estranho aqui. Infelizmente não deu pra tirar boas fotos, pois ele fica em uma esquina da Duque de Caxias, que é bem movimentada. Tirei essa foto do outro lado da rua, em um pequeno intervalo em que carros não passavam, hehehe.

A Rua do Arvoredo

Essa rua (atual Rua Fernando Machado) foi cenário de um dos possíveis crimes mais macabros da história, que ganhou manchetes no país inteiro e chegou a aparecer até no Linha Direta, da Rede Globo - sim, aquele programa que passava quando a minha geração ainda era criança e do qual a gente morria de medo, mas ainda assim não perdia nenhum episódio xD. A treta foi a seguinte: em 1864, um inspetor de polícia chamado José Ramos veio de Santa Catarina e comprou/alugou a casa de Carlos Klausser, dono do açougue que funcionava no mesmo endereço. José Ramos, que frequentava lugares requintados da capital, logo conheceu a belíssima húngara Catarina Palsen, com quem passou a viver. A "lenda" (eu acho que é verdade, mas não existem provas concretas) conta que Catarina passou a atrair vítimas para a tal casa açougue, onde José as matava e Carlos as transformava em linguiça O.O. Tá, falando assim parece até viagem, mas essa história é famosíssima, e você pode encontrar várias informações e versões dela na internet. (Pesquisem "Crime do Arvoredo").


Essa é a escadaria da casa em que o suposto açougue funcionava - e aqui, sim, tem o maior climão, galera! Senti uma energia beeem pesada, tanto que eu e o Rennan subimos até o topo, mas eu não suportei ficar nem 1 minuto lá em cima e logo desci, por isso só tem fotos assim, debaixo.


O arvoredo que fica quase em frente à casa e dava nome à rua, por outro lado, é belíssimo e totalmente em paz. Tem pracinha, e no dia em que fomos tinha até uma família brincando com algumas crianças. Apesar da história da rua, dá pra esquecer um pouco disso e passar uma tarde bem agradável no arvoredo.



Museu do Comando Militar
Foto retirada do Google, já que a anta esqueceu de
fotografar a fachada do prédio. ¬¬

O Museu Militar do Comando Militar do Sul (é esse mesmo o nome) é uma construção recente: foi criado em 24 de maio de 1999, com a intensão de recolher e expor objetos que remetem a história do Exército Brasileiro, mais precisamente do Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul).Fica na Rua dos Andradas (Corredor Cultural de Porto Alegre), e seu acervo tem peças de grande valor histórico, dispostas em salas temáticas que têm desde capacetes e medalhas, a canhões e viaturas.


o


Esse lugar não é assombrado, tão pouco assustador - eu diria que ele é fascinante, isso sim. É incrível a carga emocional que cada capacete original, com direito aos buracos de tiro e tudo, traz. Ou a loucura que é ver preservado o diário de um soldado que lutou na Guerra dos Farrapos, com sua letrinha tremida descrevendo o caos e o medo de estar dentro de uma tenda, enquanto o mundo vinha abaixo do lado de fora. O Museu do Comando Militar é um lugar que quero visitar mais uma vez e tirar várias fotos, para fazer um post só sobre ele. Se você pensar naqueles soldados não só como militares, mas como pais de família, ou como o jovem filho de alguém, ou como um rapaz que sonhava em estudar e ter um futuro, é impossível não se emocionar.



É isso, galera. O post não ficou lá muito completo, porque no dia em que fomos não deu tempo de ir a muitos lugares, então vários lugares supostamente assombrados de Porto Alegre ficaram de fora :( . Mesmo assim, eu super curti o passeio inusitado, e super sugiro para quem gosta de mistério. Mesmo pra quem não for da minha região, pesquise, e com certeza vai encontrar lugares cheios de história pra contar, na sua cidade. =)

Xoxo, e feliz Halloween! (quero ver quem vai me mandar presente u.u).

10 comentários:

  1. Oi, tudo bom? Eu vi que você segue o meu blog e só queria te avisar que fizemos uma mudança de URL e se você ainda quiser continuar acompanhando o blog, é só deixar de seguir esse (soterocarioca.wordpress) e seguir esse aqui: blogpraiana.wordpress.com.

    ResponderExcluir
  2. Oieee! Adorei essa postagem! Sabe que sempre que eu passo perto do Mario Quintana, passo pela igreja Nossa Senhora das Dores também, mas NUNCA consegui encontrá-la aberta para entrar lá! T__T morro de vontade de ver o interior. Quando vim pra Porto Alegre, um tio meu me levou lá...na época, 1996, a igreja tava em reforma ainda... e ele me contou essa história do escravo... nunca vou me esquecer do pavor que senti! aiuhuiashaui (eu tinha uns 11 anos). O museu militar conheço de cabo a rabo, pq já fui lá umas quinhentas vezes. Sempre que um parente (geralmente homem) de fora vem, me obrigam a levá-los lá! ¬¬ Mas o castelinho e a escadaria, não conhecia não. Muito interessantes as histórias. Esses dias mesmo eu tava conversando com um ex colega de faculdade sobre alguns lugares novos que ele não sabia que existia aqui em Poa, e concordei com ele que nem parece que moramos aqui....chega a ser engraçado. Tu sabia que há uma réplica de um templo grego aqui??? Fica no bairro Assunção, caso não saibas... encontrei ele muito por acaso, um dia desses, caminhando com o namorado por ali enquanto tomávamos mate. xD Porto Alegre está cheia de histórias pra contar! T_T

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ó, meu Deus, eu preciso ir a esse Templo! *.*
      A gente foi em um sábado à tarde, e a Igreja estava aberta. Quando tiver tempo, vai mesmo, porque ela é muito bonita. =)
      Eu curti bastante o Museu Militar, não tirei mais fotos porque a bateria da câmera estava fraca. Comprei uma camiseta lá, hehe.
      Porto Alegre tem mesmo várias histórias, e eu quero começar a zanzar mais por lá. Dá até vergonha, porque moro em Canoas, pertinho, e conheço muito pouco além do Centro. :/

      Beijinhos. :*

      Excluir
    2. olha, se servir de consolo, não conheço nada de Canoas! iauheauiheauiehaui foi aí umas três vezes apenas, pq o "meu" tatuador mora aí. Mas dá uma olhadinha no google, pesquisa por "templo grego, bairro assunção" e tu vai achar uma reportagem que saiu na zero hora (ou num blog do clicrbs, não me lembro agora), um tempo atrás, sobre ele. :) A história dele é bem bacana também.

      Excluir
  3. puta merda, que postagem boa! Infelizmente moro longe, mas fiquei morrendo de vontade de visitar todos esses lugares, principalmente esse Castelinho do Alto da Bronze, vontade de invadir ♥
    beijão!
    Zombie Effect

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehe, Porto Alegre é muito foda, Vân, você com certeza ia gostar. E esse castelinho eu ainda VOU invadir um dia, auheuaheuaheuhauehuaheuahea.

      Beijinhos. :*

      Excluir